segunda-feira, 25 de agosto de 2014



Bienal do Livro – 2014

Bom, fui à Bienal no susto! Tudo estava programado para acontecer no segundo fim de semana, correspondente aos dias 30, 31, mas, por forças maiores do destino... não deu. Fui dia 23.
Não queria passear pela Bienal no primeiro fim de semana por dois motivos: 1. pois sinto que é o momento mais cheio dela, porque ainda é novidade e tudo pode ser visto e comprado em primeira mão; 2. porque no sábado muitas escritoras famosas estariam lá e causariam (como causou) uma muvuca assustadora ao passantes distraídos – leia EU.
Meu objetivo com a Bienal não é acompanhar as palestras e falas dos autores, editoras e bloggueiros, mas sim passear, ver lançamentos e pegar promoções que nunca mais encontrarei. Nada contra os palestrantes, magina, mas é que tudo é muito desorganizado. A distribuição de senhas é injusta, há muito mais gente que espaço, o áudio é terrível e me parece que o evento é feito exclusivamente para vender e não para ensinar. Então, já que não posso lutar contra isso, abracei a ideia e fui gastar dinheiro em livros. Deixo as palestras para a Flip.
Mas, primeiro, eu tinha que conseguir entrar! Mas como não havia me preparado: tive que comprar o ingresso no local. Meu Deus! Que perrengue. Mais de uma hora de fila, debaixo do sol, com zig-zags que matam quem tiver labirintite, mas entrei. Por isso:
DICA 1: Compre os ingressos pela internet com antecedência e evite filas.
Assim que cheguei, encontrei um grupo de alunas lindas que já me indicaram umas promoções sensacionais e me situaram quanto à dificuldade de passar cartão de crédito e sobre a localização de algumas editoras que queria visitar. Por isso:
DICA 2: Arrume um mapa da localização das editoras, porque ficar caçando no meio da galera não vai rolar e nem sempre você tem alunas fofas como eu – estou me gabando porque elas são xuxus mesmo.
DICA 3: Leve dinheiro em espécie. O sinal lá é horroroso e as máquinas de cartão param de funcionar o que só aumenta a fila que já é maior naturalmente. Sem contar que muitas promoções se referem apenas a compras em dinheiro.
Bom, minha meta era entrar na Zahar, comprar a edição capa dura de “Os Maias” e ir embora feliz gastando 5º reais. Não rolou, porque quando vi as bancadas de livros a 10 reais cada, não resisti. E comprei alguns – 5 pra ser sincera.
Depois passei por várias editoras menores, conheci nomes de autores novos, edições bem bacanudas e consegui efetivamente mexer nos livros por conta do público ser menor. Por exemplo, não consegui entrar nem na Saraiva, nem na Record por conta da superlotação – eles impediram a entrada (?).
Nesse passeio, descobri que, por ser professora, tinha descontos muito bons para mim o que ajudou MUITO na compra de muitos livros. Portanto:
DICA 4: Se você for professor, bloggueiro, da imprensa e afins, cadastre-se antes na portaria/internet para obter entrada mais rápida, às vezes de graças, e desconto nos livros.
Aí, resolvemos comer.
DICA 5: Não coma na Bienal. Comida cara, ruim, demorada, mal feita, sem lugar pra sentar e com muita sujeira a seu redor. Os coitados dos serventes não dão conta do lixo produzido, nem os cozinheiros dos pedidos. Sério. Não valeu a pena o hot-dog só de salsicha e batata palha que comi, que mais melecou todo o espaço do que encheu minha barriga. Ah... isso me leva a:
DICA 6: Não beba. A fila do banheiro era quase do tamanho a da entrada. Eles realmente não querem que você faça xixi lá.
Finalmente cheguei à Zahar. E estava super feliz até perceber que ela e a Cia das Letras estavam unidas no mesmo estande – DIVIDINDO O MESMO CAIXA!!!!! -, oi? Sério mesmo? As duas maiores editoras dividindo estande, dificultando tráfego, pagamento, organização dos livros, atendimento de funcionários... foi um caos. Havia sim promoções boas, mas que só compensaram a fila de 1h40 porque eu tinha tempo de sobra. Lá, frente a tantas tentações, desisti de comprar “Os Maias” e dei prioridade para novos livros – uns 6. Só aproveitei aquilo que estava barato mesmo ou que nunca mais ia achar ou me lembrar do nome, porque certas coisas a feira da USP, que ocorre no fim do ano, oferece com melhor qualidade e menor custo.
Mas aí eu já estava carregando 17 toneladas de livros e meu noivo também e comendo açaí ao mesmo tempo, passando calor e na muvuca... aí... aí... cansei.
DICA 7: Leve uma mochila, porque as sacolas dadas são péssimas - a não ser a da editora Unesp e a da Cia das Letras –, o que vai facilitar sua locomoção.
Visitei outros estandes com muita rapidez, pois já era mais de nove da noite e eles estavam nos expulsando. Sinto que faltou ver muita coisa, mas estou sem pique de voltar ao furor 25 de março dos cultos. Vou guardar meu rico dinheirinho para a feira da USP.

Saldo do dia:


   
   1.      Rumo aos anéis de Saturno
   2.     Voos e sinos e misteriosos destinos
   3.     A elegância do ouriço
   4.     A vida secreta das abelhas
   5.     A invenção das asas
   6.     A insustentável leveza do ser
   7.     Saramago – Biografia
   8.     A vida secreta dos grandes autores
   9.     Só perguntas erradas 1
   10.  Só perguntas erradas 2
   11.   Mariah Mundi – A caixa de Midas
 12.  Mariah Mundi – Os diamantes fantasmagóricos
 13.  Mariah Mundi – A nau dos insensatos
   14.  MUITO CANSAÇO!!!! Por isso:



DICA 8: Vá de tênis e leve um RedBull.
Escrito por Nathália Mondo Data: 8/25/2014 07:59:00 PM Comente!

0 comentários:

Postar um comentário

  • Skoob
  • Instagram
  • Facebook
  • Youtube

Labels